terça-feira, 24 de maio de 2016

Previsão de tempos para a família e torcida


Embora para a grande maioria (atletas amadores) não seja nada recomendável calcular/prever com rigor suas parciais de tempo para um Ironman, pelo simples motivo de não criar uma auto-pressão, é complicado não passar uma noção de tempo aos familiares e torcida particular. A final, em meio a 2.000 atletas passando, fica difícil reconhecer a pessoa querida. Uma distração de 10 segundos é suficiente para o familiar não ter tempo de dar um grito de força, e isto é muito frustrante! Suportar 10h a 13/14h.. na torcida é bem duro também. Em projetos chamamos isto de "Gestão de Stakeholders" ou "Gestão das Partes Interessadas". Stakeholders são todos aqueles que tem interesse no seu projeto Ironman, foram, são ou serão afetados também.

Do outro lado, nós atletas quando saímos da água, passamos de bike ou estamos correndo pela torcida, todas as atenções estão na prova, no ritmo, no percurso. Não conseguimos reconhecer ou ficar "procurando" visualmente os familiares. Para que isto fosse possível teríamos que reduzir drasticamente o ritmo.. Porém, TODOS os gritos pelo nosso nome, sim nós ouvimos!!! TODOS!

Visando isso tudo, criei  uma "cola" a ser impressa, para nortear familiares e torcida particular. É uma estimativa, mas funciona. Usei-a em 2015 e funcionou perfeitamente. O retorno que tive foi que puderam se organizar melhor principalmente com relação a almoço, lanches, ida ao banheiro etc. Fizeram tudo sem perder o "time" e sentiram-se realizados também ao perceberem que os  percebemos durante a prova.

A planilha em anexo está em formato MS Excel 2013. Basta preencher as células azuis e imprimir.

Quanto a você atleta, durante a prova não se prenda a planilha! Faça sua prova sem cobrança, dentro que você treinou.

Boa prova e diversão!

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Exemplos do que levar nas sacolas do Ironman

Neste post falarei um pouco sobre exemplos práticos do que colocar em cada sacola de uma prova de ironman. Longe em querer dizer que isto é o que deve ser levado e que contempla a melhor opção. Cada atleta deve definir seus próprios itens, porém senti falta de post's na internet com exemplos práticos do que levar. Eis então minha lista ao qual compartilho por aqui.


Sacolas que ficam no sábado:

Sacola da bike (azul)

Após a natação pegarei esta, que contém:
1) óculos de sol
2) protetor solar
3) luvas de ciclismo
3) comida pra bike - não perecível (barrinhas e gel)
4) porta BCAA e porta Beta Alanina
5) número de identificação já pregado no porta-número
6) blusa de ciclismo com cinta de frequência cardíaca presa (para não esquecer)
7) bretele 
8) toalha

Sacola da corrida (amarela)

Após o pedal pegarei esta, que contém:
9) tenis com as meias dentro - separadas uma em cada pé
10) protetor solar
11) vaselina para dedos
12) micropore para alguns dedos
13) colete de corrida
14) comida pra corrida - gel
15) 'cinta do batman' com glicodry em pó em cada garrafinha + analgésico + 2 BCAA
16) viseira para sol
17) bermuda para corrida
18) toalha 

Sacolas que ficam no domingo

Special needs vermelho - para a corrida:

19) meia seca
20) vaselina e micropóre
21) joelheira de compressão (para uso em casos de dor)
22) salgadinho sticks com sal
23) blusa de manga comprida para frio

Special needs verde - para a bike:

24) 1 par de meias
25) 1 câmera reserva
26) 1 pneu reserva
27) 2 barrinhas de comida
28) BCAA
29) Beta Alanina
30) protetor solar
31) CO2
32) glicodry em pó

Sacola branca - acesso a área de transição domingo cedo

33) Sanduiche com geléia p café das 5:30
34) Agua de côco miniatura p café das 5:30
35) 1 dose de beta alanina e 1 de bcaa para as 6:20
36) 1 garrafinha de água p beber as bagas as 6:20
47) 1 gel para tomar 6:45 c água
38) caramanhola cheia com glicodry para a bike
39) sanduiche com queijo branco p a T2
40) sapatilhas com elastico p prender na bike
41) 1 gel para tomar antes da 2a perna da natação (vai na manga do long)
42) touca e óculos de natação
43) saco plástico de supermercado para levar o 'café da manhã', gel etc para a areia

O que fazer domingo pela manhã?

  • levar alimentos perecíveis e colocar nas sacolas (amarela e azul)
  • fixar sapatilha na bike com elastico
  • colocar caramanhola cheia com gicodry na bike


Como irei vestido no domingo de manhã?

  • sunga
  • long - westsuit
  • casaco que ficará depois guardado na sacola branca
  • chinelo
  • vaselina passada no pescoço e já na virilha


O que vai na bike:

  • Capa dobrada presa no quadro - será tirada no sabado
  • 3 CO2 + dispostivo para uso
  • 3 câmeras 
  • 1 pneu
  • kit reparos (chave allen, etc)
  • bomba de encher pneu
Uma bela explicação e mais ampla, porém com outra abordagem pela Revista MundoTri pode ser lida em: http://www.mundotri.com.br/2015/05/para-que-servem-as-sacolas-em-um-ironman

Bons treinos e boa prova!

Dimitri Campana, PMP, CSM, PRINCE2-f
Atleta Amador de Triathlon
Especialista em Gerenciamento de Projetos




sexta-feira, 1 de maio de 2015

30 dias para o Ironman Floripa, o que fazer além de treinar?


No projeto 'Competir no Ironman' não basta apenas treinar. É preciso tomar uma série de outros cuidados de forma antecipada para que na semana da prova estejamos preocupados em controlar nossa ansiedade. Lembre que tem os parentes, familiares, amigos etc que você também terá que dar atenção :)

Seguindo este raciocínio, agora é uma boa hora para planejar seus estoques de mantimentos, materiais e equipamentos. Você pode criar para isto um checklist. Lembrando que o planejamento serve exatamente para evitar re-trabalho, problemas e transtornos no dia 'd' de qualquer coisa. Este post é fundamentado também porque, nós brasileiros, temos o péssimo costume de deixar tudo para a última hora e quando vamos resolver estas questões, na semana da prova, nos deparamos com falta de itens no mercado ou tempo disponível de prestadores de serviço paranos atender.

ALIMENTAÇÃO

1) Supondo que você já se consultou com uma nutricionista, tens em mãos uma série de suplementos, bebidas e comidas para usar no dia e que na verdade, já deveria estar sendo testada a 'aceitação'
nos treinos. A tarefa e cálculo aqui são simples: por exemplo, como está seu estoque de whey (um dos itens da lista)? Será que na semana da prova ainda seu pote em casa será suficiente? Se não for, compre um agora mesmo! O mesmo vale para os recuperadores pós treino, beta alanina, glutamina, creatina, ... e principalmente Gel! Em Floripa, encontrar gel na semana do Iron passa a ser um item de luxo nas casas de suplementos. Quem dirá da marca que você gosta e do sabor que mais se adaptou! Claro que você pode deixar para comprar tudo isso, e os itens abaixo que citarei, na feirinha do Iron mas tudo tem um preço (o não planejamento sempre gera um custo financeiro que poderia ser evitado sem contar o stress) e lá será bem mais caro :)

2) Já definiu qual ou quais roupas irá utilizar em cada modalidade? As comidas/porções e quantidades de gel cabem nas suas vestimentas? Por exemplo, descobri em meus treinos que 1 garrafinha com glicodry dura 15 km para mim na corrida conforme meu plano de hidratação. Logo, levarei apenas 3. A água em si, pegarei nos postos de abastecimento. Na bermuda que usarei cada bolso comporta 2 sem problemas + os sachês de gel.




3) Irá levar BCAA e outras cápsulas para tomar no meio da prova (bike por exemplo)? Já definiu o recipiente? Encontrei um bacana para utilizar ao custo de R$ 5,00. Havia testado deixar fixado no quadro da bike com fita mas para mim não achei prático.Acabou 'voando' quando peguei um buraco na estrada.

EQUIPAMENTOS

4) Como estão as pilhas do medidor de cadência da sua bike e da cinta de frequência cardíaca? Não seria legal trocá-las desde já? Já ouvi relatos de colegas que no meio da prova o sensor de cadência 'pifou'. Usando a brincadeira da Mastercard "Preço da pilha do sensor: R$3,00. Ficar sem referência da cadência na prova que usou em todos os treinos, não tem preço!".

5) A revisão da bike fazê-la agora é muito mais tranquilo do que nas 2 últimas semanas do dia da largada. A medida que a data se aproxima, as lojas/oficinas passam a não ter mais agenda para revisões. E é bom rodar uns KM depois da bike revisada não deixando para 'sentí-la' apenas no dia da prova.



6) A corrente da bike, como vai?. Estoque de câmeras reserva? Tem pelo menos 1 pneu a mais (vai que rasga na prova..). E quantidade de CO2 necessária, está já comprada?

7) Como vai o estoque de vaselina? Não é toda farmácia que tem no balcão.. Vaselina para passar nos dedos do pé e evitar bolhas, assim como na virilha.

Enfim, este checklist não se limita a apenas estes itens que citei. Faltando 30 dias, é um bom momento para pensarmos nestas questões, resolvê-las desde já para que na semana da prova estejamos com algumas coisas a menos para resolver e gerenciar além de diminuirmos os riscos durante a própria prova.

Grande abraço e bons treinos

Dimitri Campana, PMP, CSM, PRINCE2-f
Atleta Amador de Triathlon
Especialista em Gerenciamento de Projetos

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Como a Gestão Visual pode ajudar você no Triathlon

Gestão Visual é uma ferramenta muito utilizada nas empresas para melhorar a comunicação. Embora estejamos imersos em um mundo "high-tech" com tecnologia nos cercando por todos os lados, o método 'das cavernas', como chamo (por usar papel e caneta), ainda acaba sendo de muita utilidade e eficiência nos tempos atuais.

Mas como podemos utilizá-la no esporte, e como usar especificamente no Triathlon?

No Triathlon, usei durante todo o ano passado para programar-me com relação as datas das competições que participei. Este ano, uma vez inscrito no Ironman, decidi também repetir a dose utilizando a Gestão Visual como aliada.

A dica e técnica são simples: desenhe um grande calendário e fixe-o em uma das paredes de sua casa. Pronto! Você acabou de utilizar o conceito de Gestão Visual.

Embora simples, é engraçado como algumas pessoas já encontram empecilhos para usar a técnica, pois justificam-se em não fazer por não ter recursos apropriados (caneta, papel, fita, post-it) ou por ficarem amarradas a um perfeccionismo desnecessário para esta técnica. Não tem importância se ficar feio, o importante é agregar valor!

Eu desenhei em um papel pardo, utilizando pincel atômico, caneta e post-its. Veja como ficou:



Abaixo lista de alguns dos benefícios que tenho com este painel ou super-calendário não tão bonito porém muito funcional:


1) Serve-me como cronograma do meu projeto Ironman. Rapidamente consigo me situar no tempo (falta muito / falta pouco para o dia 'd'?). Digo projeto pois estamos tratado apenas da Gestão do Tempo que é 1 de 10 áreas de conhecimento da Gestão de Projetos: escopo, tempo, custos, qualidade, rh, comunicação, riscos, aquisições, stakeholders e integração.

2) Serve-me para indicar visualmente as demais competições que participarei até a data alvo principal, se estão bem distribuídas em relação ao dia do Ironman. 

3) Serve-me para programar eventos sociais e/ou viagens. Neste quesito é de extrema utilidade pois a namorada(o), companheira(o) ou esposa/marido também já sabem de ante-mão quais datas estão 'bloqueadas'. Transparência entre todos os envolvidos (stakeholders) é uma das grandes vantagens da Gestão Visual!

4) Serve-me como preparo psicológico para os treinos longos de corrida (18, 20, 23 km, ..) e bike (100, 120, 130, 160 km, ..). Fixo post-its verdes no dia programado e escrevo neles  a distância que terei que percorrer. Desta forma, já me preparo na semana com relação a alimentação, eventos sociais, horas de sono, etc.

5) Serve-me como memória fotográfica do plano do projeto Ironman.

6) Serve-me como ferramenta de planejamento (antecipação) evitando o cenário futuro onde poderia falar: 'nossa, mas já é maio! e eu nem treinei!'. Com esta técnica vamos acompanhando o progresso semana a semana, dia a dia. Cada dia que passa, marco um X grande sobre a área reservada do mesmo. Um verdadeiro countdown ou sistema de contagem regressiva.

Note que é algo muito simples de organizar e montar (experimente convidar seu filho para lhe ajudar, vai adorar!) porém, de grande valia em termos de programação e planejamento.

Será que para você agregará tanto valor como para mim agrega? Experimente e depois comente aqui!


Note que esta dica também pode ser aplicada a qualquer modalidade esportiva onde seja necessário planejamento para datas alvo.

PS: este post foi inspirado em uma imagem publicada pelo meu amigo competidor profissional Felipe Manente (8º lugar geral no Ironman Floripa em 2014) em suas redes sociais: "faltam 16 semanas para o Ironnan". Com certeza ele também utiliza alguma técnica para gestão do tempo.


Abraços e bons treinos,

Dimitri Campana, PMP, CSM, PRINCE2-f
Atleta Amador de Triathlon
Consultor e Instrutor Especialista em Gerenciamento de Projetos

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Ferramentas para planejar sua prova de Triathlon Olímpico

Para toda prova, além de organizar e seguir um check-list de materiais para não esquecer nada, é interessante organizar-se também com relação a uma série de atividades que você deve fazer dias (ou até semanas) antes da prova. Por exemplo, verificar estoque de gel, kit reparo da bike, realizar inscrição, logística (horário de saída de casa, volta, carona) etc. Veja neste outro post (Planejando tudo o que envolve sua prova de Triathlon com uma EAP) para mais informações.

Outra questão, e foco deste post, é muito mais técnica. Refere-se a estratégia básica de prova para que tenhamos um norte de desempenho. Especificamente, a performance estimada do tempo na natação, pedal e corrida. Inclusive, é uma informação muito útil para passar aos familiares, esposa, namorada, filhos, etc, para que saibam, mais ou menos, que horas estaremos aparecendo nas transições e também cruzando a linha de chegada. São os stakeholders (partes interessadas) de nosso projeto :)

Para estes cálculos, se você é um atleta profissional ou experiente é o típico assunto para acertar pessoalmente com seu treinador. Se você é uma atleta amador, um 'simples mortal', pode fazer estimativas utilizando algumas ferramentas que cito abaixo, sem muita cobrança.

Neste processo, é interessante buscar a planilha de resultados de provas anteriores realizadas no mesmo circuito. Então, compare o resultado do primeiro colocado em sua categoria e o último. Procure se imaginar, conforme sua performance, mais ou menos onde você chegaria. A partir daí, acabas de ter uma bela estimativa de tempos para sua prova.

Planilha de Resultados - Copa Malwee 2013 - Fonte: FETRISC

Para cálculo de tempos, utilizo um programa free chamado TriCalc3 (http://www.tricalc3.com/). No mesmo informo a distância a ser percorrida, ritmos médios em cada modalidade, horário da largada e ele vai calculando o tempo final.

Tempos estimados para um Triatlhlon Olímpico

Uma vez definidos os tempos, você pode também determinar os horários de alimentação. Por exemplo e de uma forma simples: comer 2 horas antes da largada e, durante a prova, comer um gel a cada 30-40 minutos. Com estas informações você já saberá quantos sachês de gel deverá carregar durante a prova.

Por fim, uma olhada na previsão do tempo para verificar possibilidade de chuva e também condições de vento. Se a probabilidade de chuva for alta, melhor fazer um pedal mais cuidadoso, antecipar as freiadas e não ir tão rápido em partes da pista que contenham paralelepípedo, por exemplo. Abaixo previsão de um dia da prova, ao qual mostra grande possibilidade de chuva. O aplicativo ClimaTempo (http://www.climatempo.com.br/)  é muito bacana para isto.

Umidade prevista de 94%, ou seja, chuva!


Se a previsão de vento for de fortes rajadas, prepare-se para fazer força no pedal, ou seja mais conservador nas estimativas de velocidade média (km/h) em seus cálculos. O site windguru (http://www.windguru.cz/pt/) é um dos mais precisos em relação a estas previsões.

Sábado dia 27 as 15h, 11 nós de rajadas previstas

Pronto! Já temos um pequeno planejamento BÁSICO de performance para sua prova. Mais importante, é nos preparar psicologicamente do que vamos enfrentar em termos de duração de prova e condições climáticas.

Agora é ir lá e 'sentar a bota' :)

Abraços e bons treinos,

Dimitri Campana, PMP, CSM, PRINCE2-f
Atleta Amador de Triathlon
Consultor e Instrutor Especialista em Gerenciamento de Projetos

terça-feira, 11 de março de 2014

Não repita os mesmos erros: use a técnica de Lições Aprendidas no Triathlon


Uma boa prática aplicada a qualquer tipo de projetos pode ser aproveitada também para melhorar seu desempenho em provas de Triathlon: as Lições Aprendidas. 
Essa técnica, aplicada no término do projeto, é uma espécie de retrospectiva que tem como objetivo identificar o que funcionou perfeitamente e tudo o que deu errado.  Como no Triathlon cada competição é muito similar às anteriores, utilizar esse recurso traz grandes benefícios.
E qual a intenção de tudo isto? Quando formos planejar e executar um projeto similar, será possível consultar (reler) essas anotações, procurando repetir o que deu certo e evitar o que deu errado
Simples e óbvio, porém quase ninguém faz. A maioria de nós confia na memória, mas, como nem sempre ela lembra de tudo, voltamos a errar, repetindo questões pequenas e que fazem uma incrível diferença nos resultados – para pior.
Antes de começar os seus registros, pense: se pudéssemos voltar no tempo e começar tudo de novo, o que você faria diferente? A ideia é registrar de uma forma simples, objetiva e de fácil acesso.  Veja o modelo que utilizo estruturado em 3 partes:

CONTEXTO:

Prova de Sprint Triathlon com distâncias de 750m de natação, 20km de bike e 5km de corrida. Uma prova tradicional de SC, sempre com muitos inscritos!
Cidade: Garopaba/SC      Dia: 09/03/2014     Largada: 08h30 da manhã
Condições do tempo: Céu azul, temperatura agradável, mar liso
Características do mar: Similar à piscina
Características do circuito de bike: 6 voltas, curvas, retomadas de velocidade e subidas leves.

Foto: Rita de Cássia Machado

DEU CERTO :-)

  • Inscrição via site da FETRISC com boleto funcionou 100%.
  • Hospedar-se um dia antes no mesmo hotel onde é realizado o seminário técnico, dividindo o quarto com mais 2 colegas (economia) permite acordar mais descansado e evita cansaço e possível stress de viagem no mesmo dia.
  • Na areia, antes da largada, mentalizar toda a prova (sair da água, acionar o botão 'lap' do garmin, correr tirando a touca e óculos, largar touca óculos na transição, colocar óculos de sol, capacete, sair da transição, acionar botão 'lap' do garmin...) ajudou novamente a manter concentração e o foco no meio da prova.
  • Minutos antes da prova, nadar um pouco para aquecer e verificar a bancada de areia (extensa ou não - para golfinhar) foi fundamental.
  • Deixar elástico dos óculos embaixo da touca de natação já vestida na cabeça evitando possível perda durante a prova em virtude de uma ‘braçada’ de outro atleta.
  • Ao sair na 'terceira fila', na lateral da galera, mais alinhado a boia, peguei menos tráfego dentro d'água. 
  • Nadar em ritmo constante em toda a prova fez com que eu saísse menos cansado. Nas provas anteriores, o trecho até a primeira boia eu nadava extremamente no limite e depois não conseguia manter o ritmo.
  • Com a natação bi-lateral, saí menos cansado da água.
  • Saindo da água com ela pela cintura, iniciei as golfinhadas até o raso (até ficar com água nas canelas), desta forma passei 3 atletas.
  • Não usei gel durante a bike e corrida e não senti falta.
  • Sistema de contagem do número de voltas durante a pedalada com fitas crepe presas no quadro foi muito bom novamente. Foram 6 voltas de bike!
  • No percurso de bike, antes das curvas de retornos e muito próximo a alguém, ultrapassar o atleta ou dar distância para evitar 'boliche' caso o atleta da frente caia. Aconteceu 1 tombo atrás de mim com efeito boliche pra quem vinha atrás.
  • Correr esta distância curta (sprint) sem a viseira não atrapalhou em nada. Uma coisa a menos para se preocupar em pegar e colocar durante a transição.
  • Ao completar a linha de chegada, sempre dá tempo de ir para o hotel, tomar um banho e fazer check-out, garantindo mais conforto antes do início da premiação. 

NÃO DEU CERTO :-(

  • Mini iPod com músicas para ouvir momentos antes da prova estava com a bateria descarregada.
  • Imã que fica preso na roda para acionar medidor de velocidade ficou na outra roda de treino indoor. Ação: Incluir esta conferência na EAP/checklist da próxima prova.
  • Medidor de cadência não funcionou durante a pedalada. Ação: Fazer testes de ajustes em casa.
  • Roda da bike desalinhou e tive que parar três vezes. Ação: levar a bike na loja de manutenção.
  • Câimbras no abdômen, durante a corrida, foram superadas com as técnicas de respiração do yoga. Ação: comentar com o treinador após a prova.
-- fim --

Onde guardo isto? Em uma pasta de meu notebook intitulada ‘Lições aprendidas’. Que programa utilizo? O mais simples e rápido! O velho amigo Bloco de Notas! 

Note que temos duas grandes fontes de lições aprendidas: 
  1. As próprias experiências vividas; e 
  2. As de nosso treinador e de colegas mais experientes.

Essas últimas são verdadeiras enciclopédias vivas de lições aprendidas! A dica é sempre escutar atentamente as explicações e orientações a outros atletas, comparecer nos treinos coletivos onde há muita informação rica que nos ajudará em nossa próxima prova. Afinal, eles têm muito mais 'horas de voo', ou no nosso caso, quilômetros percorridos - do que nós. Eu brinco e chamo isso de 'aprender por osmose'. Ficando próximo a eles, aprendemos.

Alguns atletas costumam também relatar suas experiências pós prova em blogs pessoais que também são uma ótima fonte de Lições Aprendidas. Com tempo, visite estes 2 de meus amigos de treino e competição:


Blog "Correr pra Crer", de Diego Bandeira

Blog "Relatos de Resistência", de Rafael Pina

Você deve estar se perguntando: quando devo fazer a leitura de lições aprendidas que já registrei? A resposta é: no momento em que for iniciar o plano de sua próxima prova :)
Resumindo, a dica é: não confie tanto assim em sua memória e usufrua desta técnica, aumentando a probabilidade de maior sucesso em seus resultados.

Gostou do assunto? Ouça o podcast de 5 minutos do meu amigo Ricardo Vargas, hoje umas das maiores referências em Gestão de Projetos no Brasil e no mundo, em que ele trata justamente a respeito de Lições Aprendidas.
Bons treinos!

Dimitri Campana, PMP, CSM, PRINCE2-f
Atleta Amador de Triathlon
Consultor e Instrutor Especialista em Gerenciamento de Projetos


Revisão: Michelle Araújo


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Gestão de riscos para uma prova de Triathlon

No último post, abordei como a ferramenta EAP é útil para auxiliar-nos nas fases de pré, durante e pós prova. Ela representa o escopo e torna claro tudo aquilo que você deve fazer ou providenciar. Ficou claro que existe um trabalho de 'bastidores' forte antes de uma prova. Não é apenas treinar e competir, o envolvimento é muito maior do que isto.

Faz parte também de qualquer planejamento, uma análise de riscos. Há inclusive normas específicas que regem este assunto. No 'mundo business', especificamente na gestão de projetos é boa prática para cada item da sua EAP, você procurar identificar riscos associados. Em seguida, poderá analisá-los/classificá-los e por fim bucar uma estratégica de resposta aos mesmos.

Identificar e analisar é relativamente fácil, e nada melhor que um belo brainstorming para que brotem algumas dezenas de riscos. Outra forma de identificar é ouvindo relatos de outros colegas do que aconteceu, etc, os famosos 'causos'.

Ano passado vi um post na fanpage da Revista MundoTri sobre um atleta que teve seu nariz quebrado durante a natação! :-o é um risco que pode acontecer com qualquer atleta! A pergunta é, podemos evitar isto ou diminuir a probabilidade de acontecer? Certamente que sim!



Utilizo uma planilha em Microsoft Excel bem simples para fazer minha coletânea de riscos de uma prova de Triathlon. Ela me serve para antes de qualquer prova, revisá-la e tomar medidas ou ações específicas para que a probabilidade de algum riscos acontecer seja mínima ou, caso aconteça, seu impacto ou 'estrago causado', seja o menor possível.

(clique para ampliar)


A última coluna é entitulada 'Resposta ao Risco' e utilizo 2 conceitos que é o 'Mitigar' e o 'Evitar'. Eu mitigo, tu mitigas, ele mitiga... já usaram este verbo? hahaha

Mitigar é uma estratégia/ação relacionada a diminuir a probabilidade do risco acontecer, ou caso aconteça, diminuir seu impacto negativo.

Pois bem, esta lista é pequena e para fins de exemplo. A idéia é que você consiga dar continuidade, para uso próprio, alimentando-a a medida que adquire mais experiência. Converse bastante com seu treinador que, com certeza, é a pessoa indicada para tratar sobre como você poderá evitar ou mitigar muitos riscos durante suas competições.

Faça o download da planilha:







O objetivo dese post foi apresentar a gestão de riscos de forma simplificada vinculada a uma prova de Triathlon e ao mesmo tempo já disponibilizar uma planilha para registro das mesmas.

O assunto 'gestão de riscos' é bem mais amplo que isto, porém como introdução, está de bom tamanho.

Uma boa EAP e uma boa planilha de riscos tornará suas chances de sucesso em uma prova muito maiores! Menos imprevisto, menos correria, mais tranquilidade, mais foco. Planejamento! :)

Bons treinos,

Dimitri Campana, PMP, CSM, PRINCE2-f
Atleta Amador de Triathlon
Consultor e Instrutor Especialista em Gerenciamento de Projetos